Skype Me™!

Novidades /
30/09/2008
Regulamento 2008. CATARINENSE Leia Aqui !

CATEGORIAS:

As Categorias serão as seguintes:

SKI Stock – O mesmo regulamento da categoria Stock, mas com liberação de rebaixar cabeçote, saídas de água do motor, e retirar limitador de giros e troca de casco, desde que o mesmo seja homologado pela FEMOAESC.

OBS: Na categoria Ski Stock o jet ski Hydro poderá participar.



SKI Super Stock – Jet Ski “em pé”, com preparação até Super Stock.

SPORT – Jet Ski com preparação modified

RUNABOAT 800 cc Stock – Jet Ski até 800cc, com preparação até Stock,

RUNABOAT 1200 cc Super Stock– Jet Ski sentado com motor até 1300 cc, com preparação livre e Jets 4 tempo original.

FREE STYLE Amador – Categoria de Jet Ski “em pé” Free Style Amador.

FREE STYLE Profissional – Categoria de Jet Ski “em pé” Free Style Profissional.


NÚMERO DE VOLTAS POR CATEGORIA:

O número de voltas no circuito poderá variar de 06 (seis) a 12 (doze), dependendo do tempo e condição da raia.

PROVAS:

Teremos um final de semana de Treinos e Provas com programação específica. Os dias de provas, bem como de treinos poderão ser adequados conforme as necessidades da competição.


USO DO BOX:

O uso do Box para Pilotos será gratuito e cada Piloto deverá providenciar 01 (um) extintor de incêndio para fixação em local visível, a fim de atender rapidamente um eventual acidente com fogo.

PONTUAÇÃO:

Baterias de Raia
A Pontuação seguirá a seguinte tabela por bateria:

Posição Pontos Posição Pontos
1º 25 pontos
2º 20 pontos
3º 16 pontos
4º 13 pontos
5º 11 pontos
6º 10 pontos
7º 09 pontos
8º 08 pontos
9º 07 pontos
10º 06 pontos
11º 05 pontos
12º 04 pontos

Teremos no máximo 12 Pilotos por Bateria. A pontuação da Etapa será o somatório das duas baterias. No caso de empate, o peso maior será dado para o Piloto que obtiver a melhor posição na segunda bateria.

Para obter a pontuação correspondente a cada bateria, o piloto deverá largar e completar pelo menos 01 (uma) volta no circuito. Neste caso recebe a pontuação referente ao último colocado na bateria.

Baterias de Free Style:
A pontuação do Free Style segue a mesma tabela e método anterior. A cada bateria, a pontuação obtida será ranqueada e convertida em pontos.

Vale o mesmo critério de desempate, ou seja, o peso maior será dado para o Piloto que obtiver a melhor posição na segunda bateria.


PROTESTOS:

Os protestos e reclamações deverão ser feitos por escrito na secretaria do evento até 30 (trinta) minutos após o horário da "Bandeira de chegada" do 1º (primeiro) colocado, acompanhado obrigatoriamente de um depósito no valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais) por item protestado. O piloto somente pode protestar piloto/moto-aquática que participa da mesma categoria que a sua.

Somente o piloto ou representante legal, munido de instrumento de procuração firmada e reconhecida, pode protestar outro piloto/moto-aquática, não sendo admitido qualquer outro membro de equipe.

São considerados protestos todas as reclamações que envolvam vistoria de aspectos técnicos. O protestante deverá depositar a taxa, a ser determinado em cada prova, para cada item a ser protestado:

• Sistema de direção
• Sistema elétrico
• Motor
• Sistema de escapamento
• Sistema de alimentação (carburador, coletor, válvula de admissão, filtro)
• Casco, quilhas laterais, placa, captador, etc.

Sendo o protesto considerado procedente pela Direção de Prova, o valor pago exclusivamente a este título será devolvido ao reclamante, caso contrário fica com o reclamado.

Os protestos são individuais.

Não serão tolerados protestos informais em público. Aquele que assim proceder, inclusive membros de equipe a qual o piloto pertencer, e dependendo da gravidade e da forma que foram proferidos, poderão ser impostas penalidades à critério da Direção de Prova.

Se o piloto não permitir a inspeção de Pré ou Pós-corrida, este será desclassificado imediatamente pela Direção de Prova.

A decisão da Direção de Prova, baseada no exercício de suas funções não pode ser contestada verbalmente diante de qualquer circunstância.

Se um piloto utilizar-se do direito de protesto e ficando evidenciada qualquer tipo de má fé, o mesmo será considerado infrator das regras de Protesto e será penalizado por tal atitude.

Eventuais protestos desportivos que não envolvam sob qualquer hipótese a vistoria de aspectos técnicos são isentos do pagamento da taxa (desde que não incorram em despesas com terceiros), contudo obedecem igualmente os mesmos critérios de formalidade e prazos anteriormente mencionados.

Imagens de vídeo são aceitas pela Direção de Prova com a finalidade de instrumento para julgamento de protestos ou reclamações.

BANDEIRAS:

A fim de disciplinar o evento e manter a segurança e integridade de todos, é importante que o piloto saiba e respeite os sinais das bandeiras conforme abaixo:

• Verde: Indica que a prova está em curso.
• Vermelha: Cancelamento da Largada ou prova/ Retomar aos boxes ou ao Grid de Largada de joelhos e em baixa velocidade.
• Amarela: Atenção. Perigo, Não ultrapasse na área indicada e diminua a velocidade/ Acidente na Pista.
• Preta: Desclassificação do Piloto.
• Azul: Indica que o piloto deve facilitar a ultrapassagem pois é retardatário.
• Branca: Indica que o piloto está completando a última volta.
• Quadriculada: Chegada/Final.

Obs.: O piloto que não respeitar a bandeira azul por mais de 02 (duas) voltas poderá ser desclassificado, se o diretor de prova julgar que o mesmo está interferindo na segurança da prova.

INSCRIÇÕES:

As inscrições serão realizadas previamente no email oficial catarinensedejetski@bol.com.br, fax ou no local das provas, com até 2 horas de antecedência do horário marcado para início das baterias.
O valor da inscrição para cada Etapa será de R$ 100,00 (Cem Reais).
1ª Categoria extra R$ 60,00 (Sessenta Reais)
2ª Categoria extra R$ 40,00 (Quarenta Reais)

FILIAÇÃO JUNTO A FEDERAÇÃO:

Para que o piloto participe da(s) etapa(s) do circuito deverá estar devidamente filiado na FEMOAESC e em dia com a taxa anual de filiação.
Obs.: O valor da taxa de filiação 2007 será de R$ 100,00 (Cem reais), taxa única para o ano.

DOCUMENTAÇÃO:

As documentações exigidas para participação das etapas do Circuito são: Arrais Amador e Documentos de propriedade do Jet Ski.

INSCRIÇÃO DE MENOR DE 18 ANOS:

Para que o piloto menor de 18 anos e maior que 14 anos participe do Circuito, deverá seguir os seguintes passos, afim de obter a autorização conforme NORMAM-03/DPC/Portaria 033 de 28 de Maio de 2001:

1- O pai/responsável legal pelo piloto de menor deverá obter Autorização Específica do Juizado da Infância e da Juventude/ Poder Judiciário da Comarca em que reside, para participar de todas as etapas do Circuito Catarinense de Jet Ski;

2- Preencher a Ficha de Filiação na FEMOAESC;
3- O pai/responsável legal deverá assinar a Ficha de Inscrição e o Termo de Responsabilidade do piloto menor de 18 anos;
4- O piloto deverá apresentar a Carteira de Identidade quando solicitada.

CAMISETA DO CIRCUITO:

Cada Piloto inscrito receberá GRATUITAMENTE 01 (uma) camiseta oficial do circuito.

PREMIAÇÃO:

Durante as Etapas: Os 03 (três) primeiros colocados receberão um troféu relativo à sua categoria e posição alcançada na respectiva etapa. Receberão também prêmios oferecidos pelos Patrocinadores, caso haja.

Ao Final do Circuito: Os 02 (dois) primeiros colocados receberão:

• 01 (um) Troféu de Campeão do Circuito Catarinense de Jet Ski 2008;
• 01 (um) Troféu de Vice-campeão do Circuito Catarinense de Jet Ski 2008.

As regras descritas neste regulamento conduzem de forma geral o esporte, não sendo possível redigir regras únicas para circunstâncias específicas. Por isso, tanto os oficiais de prova, como o Diretor de Prova tem autoridade e responsabilidade de interpretar as regras aqui descritas e também resolver os casos omissos neste regulamento. A qualquer momento a FEMOAESC se reserva ao direito de alterar ou implementar regras, desde que estas sejam amplamente divulgadas e publicadas.

Qualquer alteração ou mudança de regra que não tenha sido publicada e divulgada não será assumida como legal e parte deste regulamento. Qualquer participante que tenha qualquer tipo de dúvida com relação a este regulamento poderá contatar a FEMOAESC para consultas e/ou interpretações, sempre por escrito.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

ACEITAÇÃO DAS REGRAS:

As regras e regulamentos foram criados para desenvolver a ordem na conduta de eventos e estabelecer o mínimo de infra-estrutura para realização dos mesmos. Portanto, todas as regras deverão ser seguidas tanto em campeonatos oficiais como em provas-show. A partir do momento em que o participante se inscreve regularmente em um evento, ele passa a aceitar as regras e se submeter às mesmas.

SEGURANÇA:

O Regulamento assegura as condições de segurança e o bom andamento dos eventos. A Federação e o próprio regulamento não são responsáveis pela segurança do piloto, através de seu equipamento e atitudes durante o evento.

Peças, componentes e acessórios deverão ser homologados pela FEMOAESC. Portanto, peças, componentes e acessórios produzidos no Brasil deverão ser encontrados à venda no mercado.

Divisão Ski:
A Divisão Ski inclui embarcações que foram primariamente desenhadas para comportar 01 pessoa em pé. Nesta categoria somente poderão ser inscritos modelos de embarcações com as seguintes características:

- Peso seco deverá ser superior a 102.quilos ( 225 lbs) para categoria 550 cc.
- Peso seco deverá ser superior a 114 quilos (260 lbs) para categorias 800 cc.
- Comprimento do casco não poderá exceder a 304.80 centímetros ( 10")
- Largura do casco não poderá ser menor do que 50.80 centímetros (20") e nem poderá ser maior do que 76.20 centímetros (30").

Divisão Sport:
A Divisão Sport inclui embarcações que foram primariamente desenhadas para comportar uma ou mais pessoas e que possuem um assento. Nesta categoria somente poderão ser inscritos modelos de embarcações com as seguintes características:

- Peso seco deverá ser superior a 113 quilos ( 250 lbs) para categorias 650 cc.
- Peso seco deverá ser superior a 136 quilos ( 250 lbs) para categorias 800 cc.
- Comprimento do casco não poderá exceder a 304.80 centímetros ( 120")
- Largura do casco não poderá ser menor do que 66.00 centímetros (26") e não poderá ser maior do que 96.50 centímetros (38").

Divisão Runaboat:
A Divisão Runaboat inclui embarcações que foram primariamente desenhadas para comportar uma ou mais pessoas e que possuem assento. Nesta categoria somente poderão ser inscritos modelos de embarcação com as seguintes características:
- Peso seco deverá ser superior a 155 quilos ( 340 lbs) para categorias 660 cc.
- Peso seco deverá ser superior a 182 quilos ( 400 lbs) para categorias 800 cc.
- Peso seco deverá ser superior a 216 quilos ( 475 lbs) para categorias 660 cc.
- Comprimento do casco não poderá exceder a 320.00 centímetros ( 126")
- Largura do casco não poderá ser menor do que 96.50 centímetros (38") e nem poderá ser maior do que 127.00 centímetros (50").

Circuito Fechado:
O circuito fechado é uma competição de velocidade, onde o piloto tem que realizar curvas a direita e a esquerda dependendo do traçado do circuito, o qual é demarcado com bóias coloridas. Obstáculos poderão existir no circuito fechado, visando dificultar o circuito ou diminuir a velocidade do mesmo.

Slalon:
O Slalon é uma prova de velocidade, onde o piloto sozinho deve realizar curvas a direita e a esquerda (ziguezague) no menor tempo possível.

Freestyle:
O Freestyle é uma prova de habilidade, onde o piloto deve realizar o maior número de manobras com perfeição para um júri, que lhe darão notas de 0 à 10, dentro de uma apresentação de 02 (dois) minutos.

Offshore/ Raid/ Rallye:
São eventos de longa distância realizados em rios e oceano. Estes eventos poderão ter o caráter de competição ou simplesmente passeio.

Drag Racing:
É uma prova de velocidade em um percurso determinado.

Eventos especiais:
Qualquer evento que envolva embarcações do tipo Jet Ski e não se enquadre nas provas acima descritas são considerados eventos especiais, que deverão ter regulamento específico.

CIRCUITO FECHADO:

Dependendo das condições do mar ou das condições da água, o tipo de largada será explicado aos pilotos em uma reunião.

A embarcação deverá ser puxada ou arrastada até a linha de largada. Todas as embarcações que entrarem em corrida ou treino deverão sair da linha de largada e não do box.
O número máximo de embarcações permitidas por categoria é o seguinte:
* A Direção de Prova poderá autorizar a entrada de até 12 runaboats, quando o local oferecer segurança.
Obs.: Na categoria Novatos a Direção de Prova poderá diminuir ou aumentar o número máximo de participantes por bateria, em função do tamanho da raia, segurança e outros fatores.



O método que determina o posicionamento na linha de largada é por SORTEIO. O número sorteado indicará a posição na linha de largada, da ESQUERDA para a DIREITA do Grid, quando o circuito for anti-horário e da DIREITA para a ESQUERDA quando o circuito for horário. A divisão dos pilotos no Grid (em função da torre de largada) será determinada pelo oficial responsável, durante o sorteio ou posicionamento no Grid. Deverá sempre haver um equilíbrio das embarcações no lado direito e esquerdo do Grid.

A Direção de Prova poderá penalizar ou desclassificar qualquer piloto que esteja praticando um tipo de largada que interfira na largada de outro(s) piloto(s).

Uma embarcação danificada poderá ser proibida de participar da bateria, se na opinião da Direção de Prova, este oferecer perigo aos outros participantes, públicos e pessoas direta ou indiretamente ligadas ao evento. A decisão da Direção de Prova é irrevogável e final.

O piloto somente poderá participar da competição com embarcações previamente vistoriadas e que contenham o selo de vistoria. Caso o piloto tenha que trocar de embarcação por qualquer motivo, e esta não estiver vistoriada, o piloto deverá receber autorização expressa da Direção de Prova.

O piloto poderá utilizar embarcações diferentes na 1a e 2a Baterias, desde que as mesmas estejam vistoriadas previamente. Somente para informação do leitor, o sistema de “duas Baterias” utilizado nos campeonatos oficiais do Brasil é diferente do sistema de “Moto Scoring”, dos Estados Unidos. Lá a embarcação utilizada na Moto 01 deve obrigatoriamente ser a mesma da Moto 02, pois se entende Moto 1 + Moto 2 como uma grande bateria com intervalo.

O Grid de largada é composto por um elástico de borracha (elastarter). Todos os pilotos deverão estar na área neutra da linha de largada (distância de 60 centímetros anterior ao elástico) de uma maneira que a embarcação não toque o elástico.

O Oficial responsável pela sinalização da largada mostrará uma placa de “2”.

Depois de certificar-se de que todas as embarcações estão alinhadas e em perfeito posicionamento, o Oficial responsável pela largada mostrará a placa de “1”. Após a placa de “1”, o oficial girará a placa, demonstrando que a largada será dada a qualquer momento. A corrida começará quando o elástico for solto de ambos os lados do grid de largada.

A largada somente poderá ser atrasada quando a placa de “2” é mostrada. Quando o oficial mostrar a placa de “1”, a largada não mais poderá ser atrasada ou paralisada.

Em caso da geografia local no local do evento não permitir a largada com o sistema de torres com elástico, a largada poderá ser do tipo “lançada” com os jets em movimento.

Somente um holder e um mecânico serão permitidos na área de largada. À categoria Runabout é permitido dois holders. Não será permitido que os holders se utilizem de cordas, elásticos e outros artifícios para a largada de seus pilotos. Quando a placa de “2” é levantada, os mecânicos deverão deixar a área de largada sob risco de penalização do piloto. Em caso de formação de ondas ou outras dificuldades de se controlar o alinhamento dos competidores no momento da largada, a Direção de Prova poderá, a seu critério, autorizar a entrada de mais "holders".

Aos pilotos da Divisão Ski não é permitida a colocação dos pés ou joelhos sobre a plataforma da embarcação enquanto a largada não estiver sido dada oficialmente. Os dois pés devem permanecer no chão até que o elástico seja solto. Dada a largada e antes da primeira bóia o piloto deverá imediatamente estar de pé sob sua embarcação. O não cumprimento desta regra ocasionará sua penalização.
Aos pilotos da divisão Sport e Runabout será permitido estar sentado sobre a embarcação durante o processo de largada.
O piloto é obrigado a realizar a primeira bóia do circuito (bóia dupla de largada). O piloto que não realizar a 1a. bóia será automaticamente desclassificado.
Dada à largada, todos os pilotos deverão dirigir-se para a 1a. bóia (bóia de largada) e assim prosseguir o circuito determinado. A embarcação que por qualquer motivo não tenha largado e tenha permanecido no grid, poderá largar, desde que o líder ainda não tenha passado pela torre de Direção de Prova (torre de Cronometragem).

PROCEDIMENTO GERAL DE RE-LARGADA:

A Direção de Prova deverá e poderá reiniciar uma largada à seu critério. As razões para uma re-largada incluem: largadas saltadas, cruzadas, bóias perdidas no circuito, acidentes na primeira bóia envolvendo diversos pilotos, largados cruzados ou presença de algum piloto que oferece perigo ou falta de segurança aos outros participantes.

Todas as embarcações deverão parar quando a bandeira vermelha for acionada e indicada aos pilotos. Estes deverão retornar devagar e calmamente à linha de largada para a re-largada. Qualquer piloto que cause a re-largada será penalizado.

Se houver reinicio de uma largada, e mais de uma volta do circuito for completada, aqueles pilotos que não conseguiram largar na primeira tentativa não poderão entrar na nova largada.

O piloto que "queimar" ou cruzar a largada e causar o seu reinício será penalizado da seguinte forma na nova largada: o piloto deverá estar com sua embarcação com o motor desligado, sem o holder, mas com um mecânico e com a mão mais próxima do botão de "start" levantada acima do capacete, segurando a pulseira corta circuito. Sua mão não poderá abaixar e o motor não poderá ser acionado antes de o elástico ser solto. O piloto que abaixar a mão e/ou acionar o motor da embarcação sem que o elástico tenha sido solto, será desclassificado da bateria.

Se uma corrida é parada com menos de 1/3 voltas completadas, e seu reinicio for solicitado, o procedimento total de re-largada deverá ser utilizado. Os pilotos deverão voltar a linha de largada na mesma posição em que estavam na primeira largada. O piloto que na primeira largada estava penalizado deverá re-largar sob a mesma penalização.

Se uma corrida é parada com 1/3 ou mais voltas completadas, e seu reinicio for solicitado, o procedimento de largada com o Jet madrinha deverá ser utilizado. Os pilotos serão posicionados em fila na ordem de posição da última volta completada. Os pilotos percorrerão o circuito em baixa velocidade, em fila e com distância de uma embarcação entre eles, até que o oficial responsável pela largada mostre a bandeira Verde. Ultrapassagens não serão permitidas até que a bandeira verde seja mostrada, indicando que a competição foi retomada.

REGRAS GERAIS:

Se a Direção de Prova perceber má conduta, colisão proposital ou qualquer outra atitude anti-esportiva praticada pelo piloto este poderá ser penalizado a critério da Direção de Prova. Em caso de "jogadas de equipe" todos os pilotos envolvidos poderão ser penalizados com desclassificação dos mesmos.

Caso o piloto bloqueie a passagem de uma embarcação mais rápida, este poderá ser penalizado a critério da Direção de Prova.

É expressamente proibido ao piloto navegar em direção oposta a do circuito. O piloto que por qualquer razão fizer um cavalo-de-pau no circuito poderá colocar sua embarcação novamente no sentido correto do circuito e continuar a competição. O piloto que navegar no sentido oposto ao do circuito será penalizado.

Se o piloto necessitar parar durante a competição por qualquer motivo, a primeira atitude do piloto deverá desobstruir o caminho para os outros pilotos de maneira apropriada e segura.

As ultrapassagens no circuito fechadas são normais e permitidas. Contudo o piloto que irá ultrapassar outro deverá procurar o caminho e a maneira mais segura para passar o piloto a sua frente.

O piloto que foi ultrapassado deverá/poderá continuar na competição.

O piloto que sofrer queda e que estiver machucado ou em situação de perigo deverá levantar um dos braços e indicar ao "Jet resgate" para que este possa ajudá-lo. O piloto que desejar retornar a competição deverá fazê-lo da maneira mais segura possível.

Na Categoria Ski, o piloto que fizer 2(duas) bóias seguidas de joelhos será desclassificado, recebendo bandeira preta.

Todos os pilotos deverão realizar as curvas a direita e a esquerda no circuito fechado. O "nariz" da embarcação deverá claramente fazer a curva em torno da bóia. Caso a embarcação passe por cima da bóia, o piloto será considerado por ter perdido (comido) a bóia, não importando de que lado à bóia reapareça. Em caso de perda de bóia, o piloto poderá refazer a mesma sem que ofereça perigo aos outros pilotos que também estejam realizando a curva da mesma bóia.

Para cada bóia perdida e não refeita, o piloto receberá penalização de 01 volta a menos na sua contagem total de bateria. Se o piloto deixar de fazer (comer) 03 bóias, este será desclassificado automaticamente,

Identificação de bóias: Bóias vermelhas sinalizam curva a esquerda. Bóias amarelas sinalizam curva a direita. Caso a direção de prova utilize outra cor de bóia por qualquer outro motivo, ela indicará e explicará aos pilotos.

A linha de chegada é determinada pela posição do Diretor de Prova que na maioria das vezes estará na linha do oficial responsável cronometragem (Torre de Cronometragem).

O Piloto e sua embarcação são considerados como uma unidade para efeito de chegada. Caso ocorra queda do piloto da embarcação antes da linha de chegada e sua embarcação "escorregue" sozinha para a linha de largada sem o piloto, este não será considerado.

O piloto que comemorar sua vitória após a bandeira quadriculada deverá fazê-lo com a máxima cautela sob pena de desclassificação da bateria.

Depois de terminada a corrida, o piloto deverá retornar ao box, no sentido do circuito e com baixa velocidade e bom senso.

O piloto deverá estar no local do evento com 1 hora de antecedência à Programação original da etapa em todos os dias de evento.

O piloto poderá se dirigir a seu box, durante a corrida para efeito de manutenção de seu equipamento. O piloto não poderá em hipótese alguma trocar de embarcação durante a corrida.
O piloto tem que realizar bóias para a esquerda e direita. Em caso de perda (queima) de bóia, o piloto será penalizado em 1 volta por bóia perdida. Caso o piloto queira voltar e refazer a bóia perdida ele não será penalizado.

Para efeito de desempate do slalon, a segunda tentativa do piloto servirá. Se mesmo assim o empate persistir, o resultado final do slalon será o empate, sendo que os pilotos envolvidos receberão a mesma pontuação.

O Freestyle é uma categoria onde o piloto mostra sua habilidade sobre sua embarcação.

O piloto deverá participar sozinho nesta categoria.

A ordem de entrada será indicada aos participantes desta categoria.

O participante deverá indicar ao oficial responsável pela marcação do tempo quando estiver pronto para começar a sua apresentação.

Uma apresentação com maior número de manobras e com maior grau de dificuldade receberá notas maiores do que apresentações com poucas e fáceis manobras.

A apresentação do piloto deverá terminar o mais próximo dos dois minutos permitidos.

Notas não serão dadas aos pilotos que executarem menos de 1 minuto de apresentação.

Em caso de empate, os pilotos farão nova apresentação de 1 minuto para os juizes.

REGRAS GERAIS DE COMPETIÇÃO

Regras Gerais de Competição:
Todas as pessoas envolvidas direta ou indiretamente nos eventos e competições devem conhecer este regulamento e o obedecer.

Suplemento de regras:
Qualquer mudança, alteração ou complementação de regra deverão ser anunciadas aos pilotos através de boletim oficial ou de reunião oficial. É responsabilidade do piloto obter as informações referentes.
Todas as correções, mudanças ou complementações de regras serão consideradas como legais depois de anunciadas.

Regras Técnicas:
Todos os pilotos são obrigados a utilizar colete salva-vidas de 04 tiras no mínimo, aprovados pela FEMOAESC, tanto para as competições, quanto para treinos e acerto de motor.

Todos os pilotos deverão obrigatoriamente utilizar capacetes com queixeira, durante as competições e treinos. Na categoria Freestyle, os pilotos não necessitam utilizar o capacete.
Proteção para as costas, óculos, sapatos ou botas especiais não são de utilização obrigatória, porém são recomendados.

A Direção de Prova poderá não aprovar capacete e colete salva-vidas que não achar que reúnam condições favoráveis de segurança.

Nenhum piloto sob influência de drogas ou bebidas alcoólicas poderá participar do evento.

A Direção de Prova poderá proibir a participação do piloto que ofereça perigo aos outros participantes, pessoas envolvidas ou espectadores. Atestado médico poderá ser solicitado ao piloto.

Qualquer piloto que demonstrar falta de conduta esportiva em qualquer momento, poderá ser penalizado.

Todas as embarcações deverão estar equipadas com a pulseira corta circuito, que deverá estar plugada na embarcação e ao mesmo tempo no piloto (seja no pulso ou no colete salva-vidas). Nenhum tipo de modificação do tipo adesivo, arames e outros materiais que possam ser retirados durante ou logo após o término da corrida serão aceitos. Embarcações antigas que não tenham originalmente o dispositivo de corta circuito deverão ser atualizadas, no sentido de comportá-lo.

Todas as embarcações deverão passar pela Vistoria de Segurança prévia corrida. A Direção de Prova poderá remover qualquer embarcação da corrida que julgue não atender os requerimentos técnicos exigidos.

O equipamento que for quebrado ou danificado durante a corrida, não será penalizado a não ser que a penalização venha a acontecer durante a corrida.

Todas as embarcações deverão portar o pára-choque dianteiro perfeitamente instalado, evitando prejuízo físico para os outros participantes.

A Direção de Prova poderá parar qualquer evento que julgue necessário, em qualquer momento, para garantir a segurança dos participantes, pessoas envolvidas e público presente.

REGRAS GERAIS PARA O LOCAL DO EVENTO:

Reunião de Pilotos: será realizada em todos os eventos em dias e horários pré-determinados, publicados aos pilotos e anunciados no serviço de som no local da competição.

Somente poderão ser utilizados veículos de reboque de embarcações, do tipo ATV e motos quando autorizados pela Direção de Prova.

Galões de gasolina deverão estar com as seguintes indicações: "Gasolina" ou "Inflamável", e deverão estar em locais seguros.

A Direção de Prova poderá inspecionar os galões de combustível. Há certos estados/ cidades onde não será permitido deixar os galões de combustível na área do evento e quando isso acontecer, todos os pilotos serão avisados e deverão obedecer as regras locais.

É obrigatório ao piloto ter em seu box pelo menos 01 extintor de incêndio.

Áreas para acerto de motores e testes serão designadas pela Direção de Prova. Caso, em algum evento não haja espaço físico para área de teste e acertos, os pilotos deverão ter autorização especial da Direção de Prova para adentrar na água para efetuar testes, sob risco de penalização.

REGRAS DE INSCRIÇÃO:

Qualquer categoria requer o mínimo de 03 (três) pilotos inscritos para que a categoria seja aberta. No caso da categoria Freestyle, a inscrição de somente 01 (um) piloto permite a abertura da categoria. No caso de evento que não reúna mais de 03 pilotos em várias categorias, a Direção de Prova poderá juntar categorias para que o evento possa acontecer, sendo que a pontuação e premiação (se houver) serão separadas. A abertura de Categorias não anunciadas ficará a critério da Direção de Prova.

Não haverá devolução de dinheiro de inscrições sob hipótese alguma. O piloto, que participa de provas classificatórias e não consegue posição suficiente para correr nas provas finais não tem direito de receber o dinheiro de sua inscrição de volta.

O valor da inscrição será determinado pela Direção de Prova.

O piloto poderá participar de quantas categorias desejar, com exceção da categoria novato.

Se o piloto tem dúvidas com relação a sua categoria é de sua inteira responsabilidade esclarecê-las com a Direção de Prova.

Para participar de qualquer categoria, o piloto obrigatoriamente deverá ser filiado a FEMOAESC.

A quantidade de credenciais por piloto será determinada pela Direção da Prova e Promotores do evento.

PRÊMIOS E RECOMPENSAS:

Quando houver prêmios em dinheiro ou em espécie, isto será anunciado previamente aos pilotos, e sua distribuição ficará a cargo da empresa Promotora, ficando os pilotos obrigados a comparecer nos cerimoniais (“cívico” e pódio) sob pena de perda de premiação a que tiver direito.

SISTEMA DE PONTUAÇÃO:

Em provas classificatórias não há distribuição de pontos, há somente a seleção dos pilotos para compor o grid de largada.

Depois de formado o Grid de Largada, todas as categorias disputarão no máximo duas (2) baterias conforme programação divulgada, sendo que os pontos serão somados a fim de determinar a colocação dos pilotos naquela etapa. O piloto que por qualquer motivo seja desclassificado não tem direito a pontos.

No caso de empate na etapa, o resultado da segunda bateria servirá como critério para desempate.

Todos os pilotos que completarem pelo menos 01 (uma) volta, já terá direito a pontos, mesmo que não complete o restante das voltas estipuladas para cada bateria.

O piloto que não completar 01 volta, ou seja, não passar pela cronometragem pelo menos uma vez, não receberá pontos.

Para efeito de colocação em cada etapa serão somados os pontos das baterias em cada classe, no caso de empate o melhor resultado na segunda bateria servirá para desempatar.

Fica a critério da Direção de Prova, definir a Classificação geral de etapa ou campeonato, caso, por razões de força maior, qualquer bateria não seja realizada.

Se houver menos de 03 (tres) pilotos inscritos em uma categoria, estes terão direito a metade dos pontos.

Classificação Geral:
Observando o previsto a seguir, a classificação Geral do circuito será dada pela soma de todas as baterias de todas as etapas, a critério da Direção de Prova, desde que preestabelecido.

Em caso de empate na Classificação Geral após todas as etapas, para efeito de desempate será considerado o que segue:
a) Maior número de primeiros lugares, segundos lugares, terceiros lugares e assim sucessivamente,

b) Caso ainda persista o empate, o desempate terá por base o maior número de pontos obtidos na última bateria da última etapa.
Para efeito de pontuação da etapa a classificação será dada pela somatória das duas baterias. Se houver empate nesta somatória, o maior número de pontos da segunda bateria servirá como desempate.

NÚMEROS DAS EMBARCAÇÕES, ADESIVOS E JALECOS:

Todas as embarcações deverão conter numeral tipo "imprensa" sem qualquer estilização, de no mínimo 17 (dezessete) centímetros de altura nos padrões desenhados, dos dois lados.

O numeral tem que ser preto sobre fundo branco em todas as categorias. Tanto para treinos como para competições, todas as embarcações deverão contar com os numerais.

Todas as embarcações devem encontrar-se dentro dos requisitos da Lei RTM, através de inscrição definitiva ou protocolo da Marinha.

Se solicitado, todas as embarcações deverão ter adesivos do patrocinador do evento e /ou da FEMOAESC e os pilotos também deverão utilizar os jalecos do patrocinador.

Pilotos patrocinados por marcas concorrentes ao patrocinador maior do evento, poderão participar do evento utilizando jalecos especiais, a serem confeccionados pela Organização do evento, para isso o piloto deverá solicitar à empresa promotora, por escrito, com 15 dias de antecedência com devida comprovação contratual.

A exceção do previsto no item anterior, ficam terminantemente proibidas alterações, danos ou adulterações dos jalecos fornecidos pela Organização do Evento.

É de inteira responsabilidade do piloto o jaleco promocional fornecido pelo Promotor do Evento. O piloto deve encarar o jaleco promocional como seu próprio equipamento de corrida.

AUTORIDADE DO DIRETOR DE PROVA:

O Diretor de Prova é responsável pela condução do evento e designa autoridade a Oficiais de Prova.

O Diretor de Prova tem autoridade para disciplinar pilotos e equipes por violação de regras. A disciplina poderá ser desclassificação, exclusão do evento e/ou expulsão do local do evento.

Os resultados oficiais serão assinados pelo Diretor de Prova, antes de serem divulgados.

O Diretor de Prova poderá cancelar ou interromper qualquer corrida ou evento por questões de segurança ao piloto e pessoas direta ou indiretamente envolvidas.

O Diretor de Prova poderá também diminuir o número de baterias ou de voltas caso a situação requeira, sendo que os pilotos serão avisados anteriormente.

É do Diretor de Prova a tarefa de definir o melhor e mais seguro tipo de largada a ser utilizada em determinado evento e ainda pode solicitar inspeção técnica de qualquer embarcação a qualquer momento.

Oficiais de Prova não competirão em eventos em que os mesmos estão prestando seus serviços oficialmente.

CONDUTA DO PILOTO:

O desrespeito às regras, mau comportamento, tumulto, agressões físicas ou verbais, atitudes anti-esportivas geradas, dirigidas ou causadas a qualquer pessoa envolvida, direta ou indiretamente, ao evento, pelo piloto ou membros de sua equipe poderão causar penalização e ou desclassificação do piloto infrator.
As jogadas de equipe não são permitidas. Se a Direção de Prova perceber este tipo de atitude vinda de algum piloto, este poderá ser penalizado e/ou desclassificado.

Quando em hospedagens oficiais, os pilotos deverão utilizar o bom senso e comportamento como se estivessem no próprio recinto de competição. O Piloto que desrespeitar esta regra será penalizado a critério da Direção de Prova.

Qualquer piloto que emita cheque "sem fundos" ou o suste após inscrição será penalizado e proibido de participar de eventos futuros a critério da Direção de Prova. O mesmo acontece para pagamentos a hospedagens oficiais.

A Divulgação de resultados e vantagens irreais por parte do piloto à Imprensa ou qualquer outro órgão ou empresa, acarretará penalização ao piloto.

Somente o piloto ou representante legal (portador de instrumento de procuração firmada e reconhecida em cartório) responde por seus atos e condutas, durante o evento. Assim sendo, qualquer reclamação ou protesto deverá ser feito pelo próprio piloto à Secretaria do Evento. Caso esta regra não seja cumprida, o piloto será penalizado e seu protesto não será aceito. Os Oficiais de Prova devem atender apenas às dúvidas e/ou reclamações solicitadas ou dirigidas somente pelo piloto ou seu representante legal.
O piloto é totalmente responsável pela sua equipe, ou seja, ele é responsável por todas as pessoas que o mesmo permitiu a entrada no Box.

As credenciais são de propriedade dos organizadores e são utilizadas para dar acesso à áreas restritas a quem de direito, sendo permitido aos organizadores apreender as mesmas, se constatada qualquer irregularidade ou infração por parte do piloto ou equipe que contrarie o bom andamento do evento.

Nenhum piloto ou integrante de equipe poderá subir nas torres de júri ou adentrar em áreas oficiais sem prévia autorização, sob pena de desclassificação do piloto.

Inflamação ou geração de boatos dentro ou fora do recinto de competição não será permitida, podendo o piloto infrator ser penalizado. Qualquer boato proferido pelo piloto ou equipe deverá ser provado pelo mesmo perante a Direção de Prova.

O abuso verbal ou físico a qualquer oficial gerará penalização e/ou desclassificação do piloto infrator, sendo que a penalização dada ao piloto não poderá ser apelável em qualquer instância. Exames Antidoping serão realizados em todas as etapas, através de sorteio de 03 à 05 pilotos. O piloto deverá acatar a realização do exame, seguindo os procedimentos a serem informados pela Federação. Os exames são confidenciais, porém se o exame de determinado piloto acusar positivamente e indicar a presença de drogas no organismo, o piloto poderá vir a ser suspenso, por tempo a ser determinado pela Direção de Prova. A direção de prova se reserva no direito de indicar pilotos suspeitos para novos exames antidoping, quando julgar necessário.
A FEMOAESC adotará as seguintes punições para as infrações listadas abaixo. A unidade referência para determinação do valor de taxas será baseada na UNIDADE DE VALOR DE INSCRIÇÃO (UVI), ou seja, a quantidade de UVI's multiplicada pelo valor da inscrição da prova.

INFRAÇÃO PUNIÇÃO
Embarcação fora das especificações Técnica do Regulamento. Desclassificação do piloto; Perda dos pontos acumulados no Campeonato.
Multa de até 05 UVI´s .
Colocar o jet na água sem o equipamento de segurança completo. Multa de 01 UVI.
Entrar na área do circuito (raia) sem devida autorização. Multa de 01 UVI.
Mau comportamento (piloto ou equipe). penalização e/ou multa de até 05 UVI's.
Dirigir reclamação fora de hora ou local apropriado para tal (secretaria). Multa de até 05 UVI's.
Passar sobre o cordão de isolamento. Multa de 01 UVI.
Retornar ao box sem respeitar o sentido correto e/ou velocidade apropriada. Multa de 02 UVI's
Circular com jet na área da corrida após encerrada a programação esportiva sem devida autorização. Multa de 02 UVI's.
Emprestar jet de competição a pessoas não inscritas. Multa de até 05 UVI's e/ou penalização.
Reclamação e/ou tumulto por pessoa não habilitada (compete somente ao piloto/procurador). Multa de até 05 UVI's e/ou penalização.


OUTRAS SITUAÇÕES SERÃO FIXADAS PELA DIREÇÃO DE PROVA

LOCAL DO EVENTO:

A regulagem do motor será realizada em uma área determinada pela Direção de Prova, se houver condição técnica para tal, como explanado anteriormente.

Os treinos serão efetuados por categoria, conforme programação divulgada.

A Direção de Prova poderá proceder modificações no esquema de treinos livres acima previstos, bastando para tanto comunicar o fato com antecedência através de Adendo fixado no quadro de avisos ou através da Locução do evento.

Entrar no percurso (circuito) não é permitido sob hipótese alguma, a não ser que seja expressamente autorizado pela Direção de Prova.

O Piloto e equipe devem obedecer à sinalização demarcatória da área do evento, sob pena de desclassificação.

Todos os pilotos deverão ter extintor de incêndio e lixeiras em seus boxes.

É terminantemente proibido fumar ou utilizar qualquer produto que provoque fogo dentro dos boxes tais como fogões, churrasqueiras e outros.

É terminantemente proibido ingerir bebidas alcoólicas no boxe.

PUBLICIDADE NA ÁREA DO EVENTO:

Fica a critério do Promotor/Organizador do evento o direito de exploração de merchandising e ações promocionais dentro do evento.

Fica resguardada as equipes a instalação de tendas ou guarda-sol dentro da área de box, guardadas as proporções e desde que não ultrapassem 2 (dois) metros de altura. Poderão ainda utilizar cercas de isolamento interno de box, uniformizar equipes e equipamentos.

Qualquer alteração fora destas regras tais como, mas não restrito a distribuição de brindes, folhetos, etc., deverá ser autorizada pelo Promotor do evento por escrito. A distribuição do espaço físico dentro do box para cada equipe será determinada pela Direção de Prova.

ORDEM, DISCIPLINA E VIOLAÇÕES:

Infrações de regras:
Todas as infrações de regra relatadas pelo oficial pertinente, ao corredor ou equipamento, resultando ou não em desclassificação de ambos durante o evento, serão arquivadas no relatório dos pilotos envolvidos (Curriculum). Se o piloto infringir a mesma regra mais de uma vez, este poderá receber penalizações adicionais julgadas pela Direção de Prova.

Expulsão do local de Corrida:
A Direção de Prova tem total autoridade de expulsar qualquer pessoa, seja piloto ou membro de equipe, da área do evento, do percurso (raia) ou de dependências do evento pelo não cumprimento ou infração das regras aqui estabelecidas.

Disciplina:
O Piloto é responsável pelas suas atitudes e as de sua equipe, conforme disposto anteriormente, sob pena de desclassificação.

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS - VERIFICAÇÃO E CONTROLE:

Embarcações bem como equipamentos de segurança estão sujeitos a verificação por parte da Direção de Prova. É de total responsabilidade do piloto, submeter seu equipamento e moto-aquática a inspeção de Segurança Pré-Corrida e Pós-Corrida quando solicitados.

Inspeção de Segurança Pré-Corrida:
A Vistoria de segurança Pré-Corrida é obrigatória em todas as etapas. Esta inspeção não certifica que a moto-aquática está apta e tecnicamente legal a participar de determinada categoria. A inspeção de Pré-Corrida tem caráter de segurança e determina o bom estado da embarcação. É de total responsabilidade do piloto apresentar-se para vistoria de segurança Pré-Corrida nos locais e horários pré-determinados.

Todo o equipamento incluindo capacete, coletes salva-vidas e numerais devem encontrar-se a disposição da Inspeção de Pré-Corrida.

Se alguma modificação for feita depois da inspeção de Pré-Corrida, esta deverá ser avisada à Direção de Prova, sob pena de desclassificação.

Somente as embarcações vistoriadas poderão adentrar no Grid de Largada e participar das competições e treinos.

Todas as embarcações integrantes do evento deverão ter sua checagem de segurança. Alguns itens a serem inspecionados, porém não todos são:

Inspeção de equipamento de segurança:
a) O colete salva-vidas é obrigatório e tem que ser de no mínimo 4 tiras ou aprovado pela Direção de Prova e FEMOAESC.
b) O capacete é equipamento obrigatório para as competições e conforme disposto anteriormente, com “queixeira” e de boa qualidade.
c) A embarcação deverá ter uma corda para reboque, de no mínimo 15 centímetros, instalada no "nariz" da moto-aquática, com resistência suficiente para reboque.

Inspeção do casco:
a) A inspeção do casco, do braço oscilante, das manoplas e da tampa do motor será considerada essencial.
b) A inspeção das laterais do casco será feita para certificação da não existência de objetos salientes e fora da especificação.


c) A saída do escapamento será averiguada para certificação de que está fixo e em perfeita fixação e funcionamento.
d) A parte inferior do casco será averiguada para certificação de perfeita fixação e funcionamento.
e) A utilização do pára-choque frontal original de cada modelo é obrigatório, portanto será averiguada a sua instalação.
f) Os numerais adesivos de identificação serão checados, bem como adesivos do patrocinador.
g) A placa da embarcação também será averiguada.

Inspeção do Braço Oscilante:
a) Serve para assegurar o perfeito funcionamento do mecanismo de direção e ajuste.
b) Serve também para checar o perfeito funcionamento do acelerador e corta circuito/marcha lenta.
c) Checar-se-á também a fixação de parafusos

Inspeção do compartimento do motor:
a) As braçadeiras deverão estar fixadas com segurança
b) A bateria deverá encaixar-se perfeitamente na caixa apropriada com no mínimo 2 (duas) tiras e deverá estar bem fixada.
c) O tanque de gasolina deverá estar perfeitamente encaixado com no mínimo 2 (duas) tiras e não poderá apresentar vazamentos.
f) A utilização do filtro corta-chamas é obrigatória, portanto sua utilização será averiguada, conforme previsto em cada categoria.
g) O carburador e o sistema de combustível devem estar seguros


Verificação Pós-Corrida:
O piloto inscrito é responsável pela condição de sua moto-aquática como já foi determinado pelo regulamento de competição. Qualquer piloto correndo com moto-aquática de propriedade de terceiros será responsável pelo cumprimento de todas as regras previstas neste regulamento e respectiva categoria.

Ao término de cada prova os 03 (três) primeiros colocados da categoria deixarão suas embarcações no Parque de Vistoria, onde aguardarão o prazo de 20 minutos para apresentação de eventuais protestos ou reclamações.

O Diretor de Prova ou Oficial indicado tem o direito de inspecionar qualquer parte de qualquer embarcação sob pena de desclassificação do piloto e/ou equipe que se negue a mesma.

A embarcação depois de inspecionada não será remontada pelos oficiais de prova e sim pela equipe e/ou mecânico do próprio piloto do qual se requereu a inspeção, sendo que as despesas decorrentes desta inspeção ficarão por conta do piloto requerido.

Somente o piloto e o seu mecânico são admitidos no Parque de Vistoria sob pena de desclassificação. No parque de vistoria a ordem deverá ser mantida e a equipe que gerar qualquer tipo de tumulto será penalizado e/ou desclassificado. Cabe somente aos Oficiais de Prova, piloto e/ou mecânico protestado o direito de presenciar a vistoria de Pós-corrida de sua embarcação.

Qualquer peça da embarcação pode ser requerida para inspeção Pós-corrida. A mesma poderá ser lacrada para posterior medição ou análise, inclusive por empresas fabricantes, institutos de análise oficiais ou não e ainda empresas ou técnicos credenciados pela Direção de Prova para tal. Ocorrendo a necessidade de lacrar peças ou mesmo a embarcação pela Direção de Prova para posterior análise, fica o piloto proprietário responsável pelo transporte e entrega dos produtos em local indicado.

Embarcação fora das especificações técnicas:
Qualquer competidor que for encontrado competindo com uma embarcação com qualquer item irregular em relação às especificações técnicas constantes deste regulamento em uma determinada categoria (segundo inspeções da Direção de Prova) será desclassificado da bateria em que foi constatada a irregularidade e, além disso, perderá todos os pontos acumulados no campeonato desde quando inscrito naquela categoria. Além da desclassificação e da perda dos pontos, o piloto poderá também ser suspenso por 30 (trinta) dias a critério da Direção de Prova.

VERIFICAÇÃO DE COMBUSTÍVEL

Se requerido, a gasolina de qualquer piloto poderá ser analisada mediante pagamento de protesto como é disposto a seguir. Além da taxa de protesto, o piloto deverá, nas 48 horas seguintes ao final do evento, comprovar perante a Direção de Prova ou realizar nas mãos deste, depósito de valor suficiente ao pagamento da análise do combustível, cuja quantia lhe será no mesmo prazo informada, sem o que o protesto será automaticamente considerado como cancelado.

No caso específico do protesto a que se refere o item acima, o valor relativo à análise do material colhido não será passível de devolução, mesmo sendo constatada qualquer irregularidade ou adulteração do mesmo.

A Direção de Prova pode a qualquer momento testar e analisar combustível de qualquer participante a seu critério.

Fica facultado à Direção de Prova a coleta de combustível de qualquer competidor no recinto da prova para análises técnicas posteriores, independente do pagamento de taxa de protesto. Na hipótese do parágrafo anterior, em sendo constatada adulteração ou irregularidade do combustível, o piloto além de sofrer as penalidades previstas no regulamento, ficará obrigado ao pagamento do custo da referida análise, que enquanto não saldado, o impossibilita de inscrever-se em qualquer outra competição realizada em território nacional.

PENALIDADES:

As penas aplicáveis por parte da Direção de Prova são as de advertência, suspensão, penalização de tempo, desclassificação, perda dos pontos e prêmios obtidos na etapa e no campeonato em vigência e aplicação de multas.

As penas de suspensão ou eliminação dos campeonatos só podem ser decididas pela Direção de Prova.

Fica garantido ao interessado o direito de defesa, quando o assunto será objeto de deliberação por parte dos MEMBROS DA DIREÇÃO DE PROVA.

APELOS E PETIÇÕES:

O piloto prejudicado pela decisão da Direção de Prova, envolvendo violação de equipamento terá o direito de apelação junto à Direção de Prova.

Não obstante o fato de o piloto abdicar do direito de recorrer a Justiça Comum quando do ato de sua inscrição nas provas, fica este, caso ocorra tal fato, impedido de participar de qualquer outra prova no território nacional, enquanto durar o processo que der causa.

A Direção de Prova tem o direito de publicar qualquer julgamento no que diz respeito a protestos ou apelações e usar os nomes das partes envolvidas. As partes envolvidas não têm direito de recorrer contra a Direção de Prova, Comissão Técnica ou Conselho Técnico de Motonáutica nesta circunstância.

RESPONSABILIDADES:

Ao assinarem a Ficha de Inscrição o piloto e equipes eximem a Direção de Prova, Clubes, Associações, empresa promotora, patrocinadores, autoridades, pessoas e/ou empresa envolvida nos eventos, de toda e qualquer responsabilidade civil ou penal por danos de qualquer espécie que venham a sofrer ou causar a terceiros, antes, durante e após o evento.

O piloto e sua equipe se responsabilizam por todos os atos que praticarem e/ou acidentes que venham a causar ou sofrer durante o evento. Esta responsabilidade será exclusiva daqueles que tenham praticado o ato ou causado o acidente, isentando as pessoas mencionadas no item anterior, bem como a Direção de Prova de qualquer responsabilidade.

Os participantes e suas equipes autorizam expressamente a fotografia e filmagem de todos os treinos, classificatórios e provas finais, solenidades e afins, autorizando desde já a utilização das imagens fixas ou cinéticas assim obtidas para promoção e/ou publicidade da competição, da Promotora, da Federação e dos patrocinadores, sem qualquer ônus.

A autorização acima implica também a utilização das imagens ali referidas na propaganda de qualquer dos produtos ou marcas patrocinadoras existentes ou que venham a existir, inclusive por mídia impressa (imprensa, cartazes, outdoor), eletrônica (TV e cinema) e o que mais houver, ficando autorizada a criação de todas as peças publicitárias para tal. A utilização das imagens poderá ser feita durante quatro anos, a contar da data do encerramento da competição.

A FEMOAESC mantém infra-estrutura de resgate, primeiros-socorros e pronto atendimento na realização dos eventos. A responsabilidade da FEMOAESC é resumida no resgate, pronto atendimento no local e remoção para o hospital de apoio mais próximo, podendo este ser municipal, estadual, federal ou particular.

A seleção do hospital de apoio nas diversas competições é dada pela menor distância, melhor qualidade de atendimento ou melhores condições de atendimento. Havendo local onde a Federação remova o piloto para hospitais particulares, será de total responsabilidade do piloto qualquer tipo de despesas junto ao hospital (radiografias, exames, UTI, internação, etc). Ao assinar a Ficha de Inscrição da competição, o piloto isenta a FEMOAESC de qualquer responsabilidade e de qualquer tipo de despesas junto a hospitais municipais, estaduais, federais e ou particulares.

CATEGORIAS:

Cabe a Direção de Prova determinar quais as categorias a serem abertas em Campeonatos.

O número mínimo de pilotos inscritos para que haja competição de uma determinada categoria é de 03 (três), ficando assim a decisão para a Direção de Prova.

A Direção de Prova poderá realizar teste de aptidão com qualquer piloto que esteja iniciando em uma determinada categoria.

Cada divisão poderá ter categorias Stock (originais), Super Stock e Modified. A seguir este regulamento descreve as regras gerais para cada categoria e uma tabela mostra quais as embarcações que poderão ser utilizadas em cada categoria. No decorrer da temporada, poderão ser adotadas outras categorias, as quais serão anunciadas em forma de adendo.

A regulamentação técnica das categorias mencionadas acima é uma tradução do Regulamento Internacional da IJSBA. Poderá haver dúvidas quanto à tradução e/ou interpretação técnica das regras.

Assim sendo, o Regulamento Internacional (IJSBA) poderá ser utilizado para dirimir e esclarecer dúvidas exclusivamente técnicas, tanto pelo piloto quanto pela Direção de Prova. Em casos omissos será respeitada a decisão final da Direção de Prova.




EMBARCAÇÕES HOMOLOGADAS POR CATEGORIA E DIVISÃO:

DIVISÃO SKI
Kawasaki:

JS 300 / 300 SX / JS 440 JS 550 / 550 SX
JS 650 SX
JS 750 SX
JS 750 Sxi
JS 750 Sxi Pro
SXR 800
SX-R


Polaris:
Octane (777 cc) Yamaha:

Super Jet (633 cc)
Super Jet (701 cc)
Super Jet (701 cc) (1996 e modelos mais recentes)
FX 1 (701 cc)
Superjet
Superjet Rius Racing Edition

Hydrospace:

Ski 800
S4
DIVISÃO SPORT
Kawasaki:
X-2 (633 cc)

Polaris:
Hurricane (700 cc) Sea Doo:
HX (720 cc)

Yamaha:
Wave Blaster (701 cc)
Wave Blaster 800 (784 cc)
Wave Jammer (500 cc)

DIVISÃO RUNABOAT:
Kawasaki:

Tandem Sport (633 cc)
750 SS (743 cc)
750 SS Xi (743 cc)
750 ST (743 cc)
750 STS ( 743 cc)
750 SiR (743 cc)
750 Zxi (743 cc)
900 STX* (891cc) (1999 e modelos mais recentes)
900 Zxi (891 cc)
STX-15F
STX 12F
STX 900
1100 STX* (1070 cc) (2000 e modelos mais recentes)
1100 Zxi (1070 cc)
Ultra 150 (1176 cc)
Ultra 130 D.I. (1200 cc)
Modelos 4 tempos

Sea Doo:
GS/GSi (720 cc)
GT / GTS* (580 cc)
Gti* (720 cc) (1997 e modelos mais recentes)
GTi RFI* (782 cc)
GTX* (580 cc)
GTX *(650 cc)
GTX* (782 cc)
GTX Limited* (951 cc)
GTX RFI* (782 cc)
GTX DI* (951 cc)
GSX (782 cc)
GSX (786 cc)
GSX Limited (951 cc)
GSX RFI (782 cc)
RX (951 cc)
SP/ SPi (580 cc)
SP (720 cc)
SPX (580 cc)
SPX (650 cc)
SPX (720 cc)
SPX (800 cc)
XP (580 cc)
XP (650 cc)
XP (720 cc)
XP (800 cc)
XP (951 cc)
XP DI (951 cc)
RX DI (951 cc)
RXX (1200 cc)
RXP
GTX 4 Tec
GTX 4 Tex Supercharged
Molelos 4 tempos Polaris:

Gênesis (somente para eventos de Endurance)
Pro 1200 (1165 cc)
SL 650 / 650 STD (647 cc)
SL 700 (700 cc)
SLT 700 (700 cc)
SL 750 (744 cc)
SLT 750 (744 cc)
SL 780 (779 cc)
SLT 780 (779 cc)
SLX 780 (779 cc)
SLX 800 Pro (779 cc)
SL 900 (900 cc)
SL 1050 (1051 cc)
SLTX 1050 / X-45 (1051 cc / 1165 cc)
Virage (700 cc)
Virage TX (1165 cc)
Modelos 4 tempos

Yamaha:

VXR (633 cc)
Pro VXR (701 cc)
Wave Blaster II (701 cc)
Wave Rider Deluxe (760 cc)
Wave Rider 700 (701 cc)
Wave Rider 760 (754 cc)
Wave Rider 1100 (1051 cc)
Wave Runner* 500 (500 cc)
Wave Runner III* (633 cc)
Wave Runner III GP* (701 cc)
Wave Runner GP 760 (754 cc)
Wave Runner GP 800 (784 cc)
Wave Runner GP 800 R (784 cc)
Wave Runner GP 1200 (1176 cc)
Wave Runner GP 1200 R (1176 cc)
Wave Runner GP 1300 R (1296 cc)
Wave Runner SUV (1131 cc)*
Wave Runner XL 1200*
Wave Runner XL 1200 Ltd*. (1176 cc)
Wave Venture 700* (701 cc)
Wave Venture* (1051 cc)
GP 1300R
FX
FX Cruiser
FX 140 High Output
Modelos 4 tempos

*Somente para competições de Endurance.


Entende-se por mesmo modelo: EX: SPX 800 98 = SPX 800 97, um SPX 720 não é o mesmo modelo.
CATEGORIAS 2 e 4 (tempos não turbinados)

Elaborado com a finalidade de atender ao interesse das competições de motos-aquáticas/Jet originais e às pessoas interessadas em se tornar competidores, com investimento de equipamento e manutenção relativamente baixo. A Moto-aquática competindo nesta categoria deverá estar com as seguintes especificações.

Inicie com uma moto-aquática totalmente original (O.E.M.) de fábrica. Leia as regras uma a uma para determinar as alterações e modificações permitidas. Alterações não mencionadas neste regulamento não serão permitidas, ocasionando a desclassificação do equipamento. Alguns equipamentos e componentes originais podem não atender às regras da FEMOAESC. Todas as embarcações deverão apresentar-se originais como fornecidas pelo fabricante, com exceção às modificações e alterações permitidas.

Nota: Quando as regras ditam que um equipamento seja instalado, recolocado, alterado ou fabricado, é de inteira responsabilidade do piloto, escolher os componentes, materiais e fabricações que façam a embarcação operar de maneira segura na competição.

Equipamentos originais poderão ser atualizados por novos equipamentos do mesmo modelo. A peça/equipamento deverá encaixar-se perfeitamente sem que haja necessidade de qualquer adaptação para a sua instalação. Tais peças/equipamentos deverão ser originais, sem qualquer modificação, a não ser as que o regulamento permita.

Motores poderão ser retificados. As camisas do cilindro poderão ser substituídas desde que às características originais como diagrama de alimentação / exaustão (time porting), compressão, dimensões, desenho e tipo de material não sofram qualquer alteração. As camisas substituídas poderão ter alteração de peso em relação às originais, na ordem de + ou - 25% (vinte e cinco por cento). A medida do pistão não poderá exceder a 1.00 mm (um milímetro) do diâmetro do pistão original, mantendo-se as demais medidas originais. A cilindrada total não poderá exceder a cilindrada designada na categoria, ou seja, 800 cc na classe 800 Stock, 1200 cc na classe 1200 Stock, etc. Os chanfros da janela não poderão exceder a 1.00 mm (um milímetro) a 30 graus de ângulo máximo (veja diagrama no apêndice). Não serão permitidos buracos e/ou passagem de combustível de nenhuma espécie nos pistões substituídos.

Virabrequins poderão ser reconstituídos/recondicionados. Poderão ser substituídos as “bolachas” (contrapesos), pinos, biela e rolamentos. Contrapesos, pinos e rolamentos fabricados em material não ferroso não serão permitidas. As dimensões das peças não poderão ser alteradas. Contrapesos do tipo não reaproveitáveis poderão ser trabalhados para aceitar a instalação dos pinos. O diâmetro externo dos contrapesos deverá ser o mesmo do equipamento original. O peso total do virabrequim poderá oscilar + ou - 5% (cinco por cento) do peso da peça original. Os pinos do virabrequim poderão ser soldados ou fixados nos contrapesos. Os terminais dos contrapesos deverão ser originais.
Reparos de trincas ou furos na carcaça do motor só poderão ser executados uma única vez junto à caixa de um único cilindro. Não serão permitidos quaisquer outros reparos ou modificações.

Modificações externas no motor e seus componentes, tal como polimentos e pinturas serão permitidos somente para fins estéticos.

O sistema de exaustão deverá permanecer original como fornecido pelo fabricante.

O nível de ruído não poderá exceder 86 decibéis a 75 ft (22.5 metros).

Nenhuma modificação interna será permitida no motor e seus componentes e também nos componentes da turbina, incluindo polimentos, jatos de areia, etc.

Poderão ser substituídos os filtros de ar/corta chamas do carburador, desde que o modelo a ser instalado seja aprovado pela FEMOAESC. Giclês, agulha e sede (válvula), mola da agulha poderão ser substituídos. O afogador poderá ser retirado e os orifícios do eixo deverão ser tampados com material não inflamável. Poderá ser instalado "Primer". Nenhuma outra modificação no carburador poderá ser feita.

Será permitida a instalação de sistema de limpeza no motor tipo Flush Kits e também de bomba de porão e bomba de sistema de dreno, desde que não criem superfícies de perigo. Os sensores de temperatura do motor poderão ser “desplugados” ou desligados. Nenhuma outra alteração ou adições será permitida no sistema de refrigeração do motor.
Reparos no casco e no deck da embarcação poderão ser feitos. Contudo, estes reparos não devem alterar a configuração original do casco em mais de 2 mm (dois milímetros). Compartimento de caixa de ferramenta e espelhos poderão ser não originais, modificados ou retirados, contanto que não criem superfícies que ofereçam perigo.


Os jets não equipados originalmente com suporte e orifício para fixação de corda de reboque, deverão providenciar a instalação de um suporte para a corda de reboque, de material flexível tal como nylon, corda, etc... para que não ofereça perigo.

As embarcações poderão ter no máximo duas quilhas. Quilhas originais poderão ser não originais, modificadas, reposicionadas ou removidas. O comprimento máximo de cada quilha deverá ser 91,45 centímetros. As quilhas não poderão exceder o perímetro da linha de união do casco, sem o pára-choque em mais de 100 mm (cem milímetros), quando medidas no plano horizontal. O canal vertical criado na área interna da quilha, junto ao casco, não poderá exceder 38.00 milímetros. As quilhas não poderão oferecer superfícies de perigo. Quilhas modificadas ou não originais não poderão exceder 06 mm (seis milímetros) de espessura. A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação a modificações é final. Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente a FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para a competição.

Hélice e captador poderão ser não originais e/ou modificadas. A utilização do captador é obrigatória, ele deverá possuir no mínimo uma barra longitudinal e paralela ao eixo e não deverá ultrapassar 12 mm (doze milímetros) da parte inferior do casco. Todo e qualquer canto vivo deverá ser removido a fim de não criar superfícies de perigo.

A placa da turbina poderá ser modificada ou não original. Poderá ser instalada uma extensão à placa de turbina, mas esta não poderá exceder a largura da placa original. Placas não originais e modificadas não poderão ter comprimento maior do que 100.00 mm (cem milímetros) da placa original, na divisão Ski e Sport e 177.80 mm (cento e dezessete ponto oito milímetros) na divisão Runabout. A extensão poderá ser conectada às laterais da placa original. Não poderão ser utilizados acessórios que criem superfícies de perigo, tais como quilhas, etc.

Poderão ser usadas/recolocadas placas de trim não originais. Somente peças iguais poderão ser utilizadas. Poderão ser utilizados materiais diferentes das placas originais, desde que não criem perigo (ex. alumínio em vez de plástico).

É permitida a utilização de silicone na borracha de vedação da turbina em adição a “cola” original de vedação original.

Pára-choques não originais poderão ser utilizados, desde que não criem superfícies de perigo.

Poderão ser utilizados nas laterais do casco defletores de spray de água, desde que sejam de materiais flexíveis e que não criem superfície de perigo. O defletor não poderá exceder o perímetro original do casco.

Guidão, acelerador, cabo de acelerador e manoplas poderão ser modificadas ou não originais. Deverão ser utilizadas as chaves (comandos) originais, porém os suportes das mesmas poderão ser modificados ou substituídos. O guidão e suporte de guidão deverão ser revestidos com material que absorva impacto. Curva rápida (quick turn) e modificações no sistema de direção serão permitidas. É permitida a utilização de cabo de direção não original.
Divisão Ski: a base de fixação do guidão poderá ser reforçada. É permitida a instalação de mola no guidão.

Divisão Sport e Runabout: a altura da base do assento deverá ser original. A capa e espuma do assento poderá ser trocada.

Tapetes de borracha e kits protetores do mesmo material poderão ser instalados. As superfícies externas de metal poderão ser polidas ou pintadas.

Peças de manutenção geral, tais como velas, cabo de vela, fios, porcas, etc, poderão ser não originais, providenciando-se o que segue:

1) As juntas substitutas deverão ser do mesmo tipo da original e deverá ter as mesmas condições técnicas. (altura, dimensões, espessura, etc).

2) Parafusos deverão ter medidas dos originais.

Baterias não originais e de substituição poderão ser utilizadas, desde que se encaixem perfeitamente no suporte de bateria e esteja perfeitamente segura.

Poderão ser substituído motor de arranque e Bendix por peças não originais.

Poderão ser substituídos os coxins do motor.

Poderão ser utilizados pistões, bielas das marcas: Wiseco, ProX, IMS, WSM e outras não originais, desde que não alteradas de suas configurações originais. Rolamentos e retentores poderão ser não originais. Bobinas e CDI poderão ser não originais desde que mantenham as mesmas características de limite de giro e curva de avanço dos originais.

Somente será permitida a utilização de três tipos de combustível, ou seja:

a) Gasolina -> encontrada nos postos de abastecimento comerciais.

b) Gasolina azul (verde) -> ou gasolina de aviação.

c) Álcool -> encontrado nos postos de abastecimento comerciais.

Nota: Os combustíveis deverão seguir as especificações técnicas dos órgãos fiscalizadores. É proibido o uso de qualquer tipo de aditivo no combustível com exceção ao óleo 02 tempos.

Todo o sistema de combustível deverá permanecer original (O.E.M.) e sem qualquer vestígio de vazamento, com o motor em funcionamento ou não. Deverão ser mantidos originais o tanque de combustível, pescador, acoplador, filtro e válvula de alívio, não sendo permitido qualquer tipo de alteração. É permitida a instalação de filtro de combustível adicional.

O sistema de lubrificação Auto-Lube - 2T poderá ser removido.

MOTORES 4 TEMPOS

Segue Regulamento IJSBA

CATEGORIAS SUPERSTOCK 2 e 4 tempos

Elaborado com a finalidade de atender ao interesse das competições de motos-aquáticas/Jet originais, as pessoas interessadas em competir nesta categoria poderão fazê-lo com relativo investimento e manutenção. A moto-aquática competindo nesta categoria deverá estar com as seguintes especificações:

Todas as embarcações deverão apresentar-se originais como fornecidas pelo fabricante, como exceção às modificações e alterações permitidas. Será permitida a utilização de peças dos modelos novos nos modelos antigos e vice-versa, contanto que as substituições dessas peças não necessitem de nenhuma modificação ou adaptação para sua instalação.

Nota: Quando as regras ditam que um equipamento seja instalado, recolocado, alterado ou fabricado, é de inteira responsabilidade do piloto, escolher os componentes, materiais e fabricações que façam a embarcação operar de maneira segura na competição.

As embarcações antigas poderão, com o objetivo de atualizar seus modelos, substituir peças ou partes originais por peças ou partes originais dos modelos atuais desde que sejam do mesmo modelo de moto-aquática e que não necessitem nenhuma modificação na mesma ou em outras partes para sua instalação, exceto quando as regras permitam substituições ou modificações.

Nota para Divisão Ski: Modelos Yamaha Super Jet (633 cc) anteriores a 1996 poderão ser atualizados aos motores do ano 1996 ou mais novos. O Kawasaki JS 750 SX e SXi poderão atualizar seus motores igualando-os ao motor SXi Pro.
Cilindros poderão ser retificados. O cilindro poderá ser reencamisado. A cilindrada do motor não poderá exceder a designação da categoria (ex. 800 cc na Superstock, 1200 cc na 1200 Superstock).

A carcaça do virabrequim deverá ser original. Modificações nas superfícies internas, nos fluxos de combustível, óleo, água serão permitidas. Os espaços junto às superfícies das juntas poderão ser preenchidos. A base da junta e superfícies internas de admissão poderão ser trabalhadas. Poderá ser instalada linha de pulso da bomba de gasolina adicional. O sistema de dreno poderá ser removido ou plugado. Só poderão ser feitos reparos na carcaça junto ao dreno. Não será permitido nenhuma outra modificação ou reparo externo.

Virabrequins poderão ser reconstituídos. Poderão ser substituídos as “bolachas” (contrapesos), pinos, biela e rolamentos. Contrapesos, pinos e rolamentos fabricados em material não ferroso não serão permitidas. As dimensões das peças não poderão ser alteradas. Contrapesos do tipo não reaproveitáveis poderão ser trabalhados para aceitar a instalação dos pinos. O diâmetro externo dos contrapesos deverá ser o mesmo do equipamento original. O peso total do virabrequim poderá oscilar + ou - 5% (cinco por cento) do peso da peça original. Os pinos do virabrequim poderão ser soldados ou fixados nos contrapesos. Os terminais dos contrapesos deverão ser originais.

O equipamento original do cilindro deverá ser utilizado. O cilindro e o cabeçote poderão ser trabalhados. Poderão ser trabalhadas também as janelas, alterando o diagrama original. Não poderão ser introduzidas novas janelas, sendo que o número de janelas deverá permanecer original. Poderá ser utilizada camisa do cilindro não original.

Cabeçote poderá ser não originais ou modificados.

As juntas do motor poderão ser modificadas ou não originais.

Modificações externas no motor e seus componentes, tal como polimentos e pinturas serão permitidos somente para fins estéticos.

O(s) carburador(es) poderão ser modificados ou substituídos por não originais, providenciado que o(s) mesmo(s) não tenham vazamento enquanto o motor está em funcionamento ou não. O número de venturis (saídas) não deverá ultrapassar o número de cilindros. Não é permitidas a utilização de carburadores com aspiração lateral. Poderá ser utilizado primer não original. O sistema de afogador do carburador poderá ser retirado. Se o carburador utilizado não possuir retorno de combustível essa tubulação deverá ser plugada. Poderá ser criada uma linha adicional de pulso para a bomba de gasolina do carburador.


Poderão ser utilizados sistemas de ignição de combustível com as seguintes restrições:

a) Nas linhas de alta pressão deverão ser utilizadas mangueiras especiais, com presilhas fixas e filtros metálicos. Não serão aceitas fixações de mangueiras com grampos ou tay rap, etc.
b) Nas linhas de baixa pressão poderão ser utilizados quaisquer filtros desde que não provoquem vazamentos de combustível.
c) Não será permitida a utilização de bombas de combustível com acionamento manual. Estas bombas deverão ser automáticas, devendo desligar-se automaticamente assim que o motor parar.
d) O suporte e válvulas de palheta (admissão) poderão ser modificados ou substituídos por não originais. Válvulas rotativas poderão ser trabalhadas.

É obrigatório o uso de elemento filtrante corta-chamas. O filtro de ar (corta-chamas) poderá ser substituído por outro desde que aprovado previamente pela FEMOAESC. O silenciador interno poderá ser removido.

O coletor de escapamento, juntas, escapamento poderão ser modificados ou não originais. A saída dos gases poderá ser reinstalada em outro local. Nenhuma parte do escapamento poderá ser colocada fora do casco. Poderá ser retirada a palheta de proteção na saída do escapamento.

Os flutuadores internos do compartimento do motor poderão ser modificados ou substituídos.

O sistema de escapamento deverá receber injeção de água e/ou circulação de água através de uma jaqueta interna, com no mínimo 60.00 (sessenta) milímetros do coletor, em tempo integral, enquanto o motor funciona. As válvulas utilizadas no sistema de refrigeração deverão ser fixas ou automáticas (ex. termostato, reguladores de pressão, solenóides, etc). Sistemas manuais de controle de fluxo de água não são permitidos.As saídas externas de água do sistema de refrigeração deverão ser dirigidas para trás e/ou para baixo para não causarem ferimentos.

O nível de ruído não poderá exceder 86 decibéis a 75 ft (22.5 metros).

O sistema de refrigeração poderá ser modificado ou substituído. Linhas adicionais poderão ser instaladas. Os plugs do sistema (bypass) poderão ser modificados, relocados e não originais, sendo que na área externa deverão ser direcionados para baixo e sem superfícies que ofereçam perigo.

Sistema de ignição, caixa elétrica, volante e capa do volante poderão ser modificados ou não originais. O circuito de recarga da bateria poderá ser desligado ou removido. Poderão ser utilizado motor de arranque e Bendix não originais.

Guidão, acelerador, cabo de acelerador e manoplas poderão ser modificadas ou não originais. Deverão ser utilizadas as chaves (comandos) originais, porém os suportes das mesmas poderão ser modificados ou substituídos. O guidão e suporte de guidão deverão
ser revestidos com material que absorva impacto. Curva rápida (quick turn) e modificações no sistema de direção serão permitidas. É permitida a utilização de cabo de direção não original.
Reparos no casco e no deck da embarcação poderão ser feitos. Contudo, estes reparos não devem alterar a configuração original do casco em mais de 2.00 milímetros.

As embarcações não equipadas originalmente com suporte e orifício para fixação de corda de reboque, deverão providenciar a instalação de um suporte para a corda de reboque, de material flexível tal como nylon, corda, etc., para que não ofereça perigo.


As embarcações poderão ter no máximo duas quilhas. Quilhas originais poderão ser modificadas, não originais ou poderão ser removidas. O comprimento máximo de cada quilha deverá ser 91.45 centímetros. As quilhas não poderão exceder o perímetro da linha de união do casco, sem o pára-choque em mais de 100 mm (cem milímetros). O canal vertical criado na área interna da quilha, junto ao casco, não poderá exceder 38.00 milímetros. As quilhas não poderão oferecer superfícies de perigo. A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação à modificações é final. Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente à FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para competição.

Tampas do compartimento do motor, porta bagagem, etc... poderão ser modificadas ou substituídas por não originais, contato que mantenham a aparência e segurança da peça original. Poderão ser instaladas entradas extras de ar para o compartimento do motor. Poderão ser retirados os compartimentos de bagagem, ferramentas, espelho retrovisor, etc.

Pára-choque não original poderá ser utilizado, desde que não ofereça perigo.

Poderão ser utilizados nas laterais do casco defletores de spray de água, desde que sejam de materiais flexíveis e que não criem superfície de perigo. O defletor não poderá exceder o perímetro original do casco.

Divisão Ski: a base de fixação do guidão poderá ser reforçada. É permitida a instalação de mola no guidão.

Divisão Sport e Runabout: A altura da base do assento poderá ser alterada, assim como o peso do assento.

Caixa do hélice e as aletas do estator poderão ser modificadas ou não originais. O cone da turbina e o direcionador poderão ser modificados ou não originais. O comprimento total (turbina + direcionador) não poderá exceder a 50 mm (cinqüenta milímetros) do comprimento original. Poderá ser instalado sistema de trim junto ao direcionador não original. Poderá ser instalada linha adicional de refrigeração.O jato vertical visualizador traseiro da embarcação poderá ser plugado ou removido. Poderá ser utilizado silicone em adição ao sistema original de vedação da turbina.

Poderão ser utilizados acoplamentos motor/eixo de transmissão, contanto que seja mantida a relação de 1:1 (um para um).
Hélice e captador poderão ser não originais e/ou modificadas. A utilização do captador é obrigatória, ele deverá possuir no mínimo uma barra longitudinal e paralela ao eixo e não deverá ultrapassar 12.00 milímetros da parte inferior do casco. Todo e qualquer canto vivo deverá ser removido a fim de não criar superfícies de perigo.


A placa da turbina poderá ser modificada ou não original. Poderá ser instalada uma extensão à placa de turbina, mas esta não poderá exceder a largura da placa original. Placas não originais e modificadas não poderão ter comprimento maior do que 100.00 mm (cem milímetros) da placa original, na divisão Ski e Sport e 177.80 mm (cento e setenta e sete ponto oito milímetros) na divisão Runabout. A extensão poderá ser conectada às laterais da placa original. Não poderão ser utilizados acessórios que criem superfícies de perigo, tais como quilhas, etc.

Para Divisão Ski: Poderão ser instalados lastros (pesos) dentro do casco, contato que fiquem fixos e que não necessitem de nenhuma alteração no conjunto original para sua instalação.

Poderão ser utilizadas placas de trim fixas ou controladas. O equipamento original poderá ser removido ou substituído. O comprimento das placas de trim não poderão estender-se por mais de 100 mm (cem milímetros) do final da parte traseira do casco (plano). Todos os acabamentos laterais deverão ser arredondados e não são permitidas instalações de quilhas e apetrechos que criem superfícies pontiagudas.
Tapetes de borracha e kits protetores do mesmo material poderão ser instalados. As superfícies externas de metal poderão ser polidas ou pintadas.

Peças de manutenção geral, tais como velas, cabo de vela, fios, porcas, etc, poderão ser não originais. As porcas e parafusos poderão ser não originais.

Poderão ser instaladas baterias e suportes de baterias adicionais, desde que bem fixados.

Poderão ser utilizado motor de arranque e Bendix não originais.

Poderão ser substituídos os coxins do motor.

Somente será permitida a utilização de três tipos de combustível, ou seja:

a) Gasolina -> encontrada nos postos de abastecimento comerciais.

b) Gasolina azul (verde) -> ou gasolina de aviação.

c) Álcool -> encontrado nos postos de abastecimento comerciais.

Nota: Os combustíveis deverão seguir as especificações técnicas dos órgãos fiscalizadores. É proibido o uso de qualquer tipo de aditivo no combustível com exceção ao óleo 02 tempos.

O sistema de combustível deverá ser todo vedado, não possibilitando vazamentos em qualquer situação, com o motor em funcionamento ou não. Tanque de gasolina, filtro de entrada de combustível e válvula de alívio deverão ser originais e não poderão sofrer modificações. Pescador de gasolina e filtro poderão ser removidos ou não originais. O acoplador poderá ser modificado ou não original. Poderão ser utilizados filtros de combustível adicionais assim como células flutuantes poderão ser adicionadas ao tanque original. Separadores de ar e vapor não originais poderão ser utilizados desde que não excedam 2 in x 6 in, além disso deverão estar interligados todo o tempo através e deverá estar ligados ao tanque de combustível através da linha de retorno. Poderão ser utilizadas bombas de combustível não originais ou modificadas desde que a pressão não exceda 4psi. Quando o motor pára de funcionar a bomba de combustível que se desligar automaticamente. Não serão permitidas bombas de combustível com acionamento manual.

CATEGORIAS 800cc OU 1200cc.
Segue Regulamento IJSBA

Elaborado com a finalidade de atender ao interesse das competições de moto-aquáticas/Jet originais, as pessoas interessadas em competir nesta categoria poderão fazê-lo com relativo investimento e manutenção. A moto-aquática competindo nesta categoria deverá estar com as seguintes especificações:

Nota: Quando as regras ditam que um equipamento seja instalado, recolocado, alterado ou fabricado, é de inteira responsabilidade do piloto, escolher os componentes, materiais e fabricações que façam a embarcação operar de maneira segura na competição.

As embarcações antigas poderão, com o objetivo de atualizar seus modelos, substituir peças ou partes originais por peças ou partes originais dos modelos atuais desde que sejam do mesmo modelo de moto-aquática e que não necessitem nenhuma modificação na mesma ou em outras partes para sua instalação, exceto quando as regras permitam substituições ou modificações.

O nível de ruído do motor não deverá exceder a 86 dB (decibéis) a 22.86 metros.

Somente será permitida a utilização de três tipos de combustível, ou seja:

a) Gasolina -> encontrada nos postos de abastecimento comerciais.

b) Gasolina azul (verde) -> ou gasolina de aviação.

c) Álcool -> encontrado nos postos de abastecimento comerciais.

Nota: Os combustíveis deverão seguir as especificações técnicas dos órgãos fiscalizadores. É proibido o uso de qualquer tipo de aditivo no combustível com exceção ao óleo 02 tempos.

CASCO

Os jets não equipados originalmente com suporte e orifício para fixação de corda de reboque, deverão providenciar a instalação de um suporte para a corda de reboque, de material flexível tal como nylon, corda, etc., para que não ofereça perigo.

Deck: O equipamento de deck original deverá ser utilizado. Reparos no deck poderão ser feitos. Contudo, estes reparos não devem alterar a configuração original do casco em mais de 2 mm (dois milímetros). O deck poderá ser reforçado internamente. A linha de união do casco não poderá ser modificada.

Se as partes superior e inferior do casco forem separadas e juntadas novamente, elas deverão ser coladas da mesma forma que originalmente.

Somente para Freestyle: poderão ser instaladas alças para os pés, contudo se a embarcação também for utilizada para corrida, as alças deverão ser bloqueadas.

Somente para Freestyle: o deck superior poderá ser não original ou modificado, providenciado-se que: o deck deverá ser semelhante ao original homologado; o deck superior deverá ter comprimento e largura dentro de 13 mm (milímetro) da configuração do casco original; o deck deverá funcionar de acordo com o produto. O deck e o casco deverão ser acoplados da mesma forma que a original.

A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação a modificações é final.

Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente a FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para a competição

Casco: o casco poderá ser modificado e/ou não original, mas não poderá exceder comprimento e largura original, conforme diagrama.

A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação a modificações é final.

Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente a FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para a competição

As embarcações poderão ter no máximo duas quilhas. Quilhas originais poderão ser não originais, modificadas, reposicionadas ou removidas. O comprimento máximo de cada quilha deverá ser 91.45 centímetros. As quilhas não poderão exceder o perímetro da linha de união do casco, sem o pára-choque em mais de 100 mm (cem milímetros), quando medidas no plano horizontal. O canal vertical criado na área interna da quilha, junto ao casco, não poderá exceder 38.00 milímetros. As quilhas não poderão oferecer superfícies de perigo. Quilhas modificadas ou não originais não poderão exceder 06 mm (seis milímetros) de espessura. As quilhas não poderão ser instaladas no fundo do casco.

Somente para Divisão Ski: As quilhas poderão ser instaladas dentro da linha do pára choque, mas nenhuma porção da quilha poderá exceder 38,00 mm abaixo da linha inferior da união do casco.

A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação a modificações é final. Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente a FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para a competição.

O Captador poderá ser não original e/ou modificado A utilização do captador é obrigatória, ele deverá possuir no mínimo uma barra longitudinal e paralela ao eixo e não deverá ultrapassar 12 mm (doze milímetros) da parte inferior do casco. Todo e qualquer canto vivo deverá ser removido a fim de não criar superfícies de perigo

A placa da turbina poderá ser modificada ou não original. Poderá ser instalada uma extensão à placa de turbina, mas esta não poderá exceder a largura da placa original. Placas não originais e modificadas não poderão ter comprimento maior do que 100.00 mm (cem milímetros) da placa original, na divisão Ski e Sport e 177.80 mm (cento e dezessete ponto oito milímetros) na divisão Runabout. A extensão poderá ser conectada às laterais da placa original. Não poderão ser utilizados acessórios que criem superfícies de perigo, tais como quilhas, etc.

Poderão ser usadas/ recolocadas placas de trim não originais. Poderão ser fixadas, automáticas ou controladas pelo piloto, Poderão ser utilizados materiais diferentes das placas originais, desde que não criem perigo (ex. alumínio em vez de plástico). Qualquer extensão do casco será considerada como trim. Pára-choque não original poderá ser utilizado.

Poderão ser utilizados nas laterais do casco defletores de spray de água, desde que sejam de materiais flexíveis e que não criem superfície de perigo. O defletor não poderá exceder o perímetro original do casco.

Guidão, acelerador, cabo de acelerador e manoplas poderão ser modificadas ou não originais. O guidão e suporte de guidão deverão ser revestidos com material que absorva impacto. Curva rápida (quick turn) e modificações no sistema de direção serão permitidas. É permitida a utilização de cabo de direção não original.

Somente para Divisão Ski: Braço poderá ser substituído desde que continue exercendo a mesma função do original. A base de fixação do guidão poderá ser reforçada. É permitida a instalação de mola no guidão.

Somente para Divisão Sport e Runabout: a base do assento poderá ser modificada. A altura do assento poderá ser modificada..

Tapetes de borracha e kits protetores do mesmo material poderão ser instalados. As superfícies externas de metal poderão ser polidas ou pintadas.

Bomba de porão poderá não original , removida ou plugada.


A espuma do compartimento interno do motor poderá ser removida ou modificada.

Tampas do compartimento do motor, porta bagagem, etc, poderão ser modificadas ou substituídas por não originais, contato que mantenham a aparência e segurança da peça original. Poderão ser instaladas entradas extras de ar para o compartimento do motor..

Lastros poderão ser adicionados dentro do casco, porém deverão ser fixos e rígidos.

MOTOR – 2 TEMPOS

Motores poderão ser retificados. As camisas do cilindro poderão ser substituídas. A cilindrada total não poderá exceder a cilindrada designada na categoria, ou seja, 800 cc na classe 800 Stock, 1200 cc na classe 1200 Stock, etc. O número, tipo e posicionamento dos anéis do pistão poderão ser alterados.

Somente para Freestyle: A cilindrada máxima permitida para a divisão ski é de 1000 cilindradas.

A carcaça do virabrequim poderá ser intercambiada entre modelos da mesma marca. As carcaças deverão ser do mesmo tipo (admissão por válvula rotativa ou normal) e o número de cilindros não poderá ser alterado. Modificações nas superfícies internas, nos fluxos de combustível, óleo, água serão permitidas. Os espaços junto às superfícies das juntas poderão ser preenchidos. A base da junta e superfícies internas de admissão poderão ser trabalhadas. Poderá ser instalada linha de pulso da bomba de gasolina adicional.. Só poderão ser feitos reparos na carcaça junto ao dreno. Não será permitida nenhuma outra modificação ou reparo externo.

Cilindro e cabeçote poderão ser não originais ou modificados.

Virabrequim poderá ser modificado ou não original.

A placa do motor e coxins poderão ser não originais ou modificados. O motor poderá ser reposicionado dentro do casco.

As juntas do motor poderão ser modificadas ou não originais.

O Sistema de escapamento poderá ser modificado ou não original. A saída dos gases poderá ser reinstalada em outro local. Nenhuma parte do escapamento poderá ser colocada fora do casco. Poderá ser retirada a palheta de proteção na saída do escapamento

O sistema de refrigeração poderá ser modificado ou substituído. Linhas adicionais poderão ser instaladas. Os plugs do sistema (bypass) poderão ser modificados, relocados e não originais, sendo que na área externa deverão ser direcionados para baixo e sem superfícies que ofereçam perigo.Válvulas do tipo solenóides, termostatos para controle do sistema de refrigeração deverão ser fixas e automáticas. Sistemas de controle Manual de fluxo de água durante o funcionamento do motor não serão permitidos. Sistema tipo flush kits são permitidos.

Poderão ser substituídos motor de arranque e bendix.

Sistema de injeção de óleo poderá ser removido

Peças de manutenção geral, tais como velas, cabo de vela, fios, porcas, etc, poderão ser não originais. As porcas e parafusos poderão ser não originais


SISTEMA DE AR E COMBUSTÍVEL – 2 TEMPOS

O(s) carburador(es) poderão ser modificados ou substituídos por não originais, providenciado que o(s) mesmo(s) não tenham vazamento enquanto o motor está em funcionamento ou não. O número de venturis (saídas) não deverá ultrapassar o número de cilindros. Não é permitidas a utilização de carburadores com aspiração lateral. Poderá ser utilizado primer não original. O sistema de afogador do carburador poderá ser retirado. O coletor de admissão poderá ser não original ou modificado. Poderão ser instaladas bombas de combustível adicionais.
Se o carburador utilizado não possuir retorno de combustível essa tubulação deverá ser plugada. Poderá ser criada uma linha adicional de pulso para a bomba de gasolina do carburador.

Separadores de ar e vapor não originais poderão ser utilizados desde que não excedam 2 in x 6 in, além disso, deverão estar interligados todo o tempo e deverá estar ligados ao tanque de combustível através da linha de retorno. Poderão ser utilizadas bombas de combustíveis não originais ou modificadas desde que a pressão não exceda 4psi. Quando o motor pára de funcionar a bomba de combustível tem que se desligar automaticamente. Não serão permitidos bombas de combustível com acionamento manual.

Poderão ser utilizados sistemas de injeção de combustível com as seguintes restrições: Nas linhas de alta pressão deverão ser utilizadas mangueiras especiais, com presilhas fixas e filtros metálicos. Não serão aceitas fixações de mangueiras com grampos ou tay rap, etc.
Nas linhas de baixa pressão poderão ser utilizados quaisquer filtros desde que não provoquem vazamentos de combustível. Não será permitida a utilização de bombas de combustível com acionamento manual. Estas deverão ser automáticas, devendo desligar-se automaticamente assim que o motor parar.

O Sistema de combustível é um sistema fechado e não poderá apresentar qualquer vestígio de vazamento, com o motor em funcionamento ou não. É permitida a instalação de filtro de combustível adicional.

Somente para Freestyle: O tanque de combustível poderá ser modificado ou não original, providenciando-se que não vaze em qualquer circunstância. O tanque deverá estar seguro e bem preso ao casco. A decisão do Diretor Técnico e/ou Diretor de Prova, com relação a modificações é final. Qualquer dúvida relacionada à legalidade de modificações deverá ser feita diretamente a FEMOAESC, antes de ser utilizada/feita para a competição.

Poderão ser substituídos os filtros de ar/ corta chamas do carburador, desde que o modelo a ser instalado seja aprovado pela FEMOAESC. Giclês, agulha e sede (válvula), mola da agulha poderão ser substituídos. O afogador poderá ser retirado e os orifícios do eixo deverão ser tampados com material não inflamável. Poderá ser instalado "Primer". Nenhuma outra modificação no carburador poderá ser feita.

Os suportes de válvula de admissão fixa ou rotativa poderão ser modificados ou não originais.

SISTEMA DE IGNIÇÃO E ELÉTRICO – 2 TEMPOS

Sistema de ignição, caixa elétrica, volante e capa do volante poderão ser modificados ou não originais. O circuito de recarga da bateria poderá ser desligado ou removido.

Bateria adicional e caixa de bateria poderão ser utilizadas. Baterias deverão caber dentro da própria caixa de bateria e estar seguramente fixa. Baterias poderão ser relocadas.

O sensor de temperatura do motor poderá ser desconectado ou removido.

SISTEMA DE DIREÇÃO

Hélice, turbina e aletas do estator poderão ser modificadas ou não originais. O cone da turbina e o direcionador poderão ser modificados ou não originais. O comprimento total (turbina + direcionador) não poderá exceder a 50 mm (cinqüenta milímetros) do comprimento original. Poderá ser instalado sistema de trim junto ao direcionador não original. Poderá ser instalada linha adicional de refrigeração. O jato vertical visualizador traseiro da embarcação deverá ser retirado. Poderá ser utilizado silicone em adição ao sistema original de vedação da turbina.

Poderão ser utilizados acoplamentos motor/eixo de transmissão, contanto que seja mantida a relação de 1:1 (um para um).

DISPOSIÇÕES GERAIS:

O regulamento é o mesmo utilizado no ano passado, tem como base o regulamento usado nas competições nos Estados Unidos.
ADENDO

SLALON DE JET SKI


CATEGORIAS:

As categorias serão as seguintes:

SKI – Jet Ski sentado com motor 800 cc, com preparação até modified.

SPORT e RUNABOAT l – Jet Ski sentado até 800cc, com preparação até modified.

RUNABOAT ll - Jet Ski sentado, com preparação Super Stock.

4 TEMPOS - Jet Ski sentado, com preparação Stock.

TOMADA DE TEMPO:

O piloto devera fazer o circuito composto por bóias no menor tempo possível. Sendo que cada piloto terá duas tomadas classificatórias de tempo, prevalecendo sempre o menor.

Ao final da segunda tomada de tempo, os pilotos com os 3 melhores tempos farão uma nova tomada de tempo afim de definir a classificação final em suas respectivas categorias, e os demais , ocuparão as posições subseqüentes sempre observando o item menor tempo.


Inscrições para 1ª etapa. Aqui !




29/11/2016

24/08/2015

01/10/2012

07/05/2012

22/06/2011

08/06/2011